Leonardo DiCaprio sobre Brumadinho: “Parem de colocar os lucros acima das pessoas e da natureza”

Premiado ator de Hollywood e também ativista pelas causas ambientais, Leonardo DiCaprio usou suas redes sociais para desabafar e chamar a atenção dos governantes, empresários e da população sobre os perigos recorrentes da exploração de matérias primas que visam gerar enormes lucros para as grandes corporações. DiCaprio lembrou em seu post os desastres socioambientais em Mariana (2015), e mais recentemente em Brumadinho, na última sexta-feira (25).

VÍDEO: APÓS 5 DIAS NA LAMA, BOVINO É RESGATADO POR HELICÓPTERO EM BRUMADINHO

“Na sexta-feira passada, uma barragem de mineração desmoronou em uma pequena cidade no Brasil, liberando quase 13 milhões de metros cúbicos de lama tóxica e deixando para trás um rastro de morte e tristeza. Isso ocorre apenas três anos após o maior desastre ambiental do país, quando outra barragem se rompeu. Já é suficiente. Governos e corporações DEVEM parar de colocar os lucros acima das vidas das pessoas e da natureza”, publicou o ator.


A MORTE DO RIO PARAOPEBA: “JÁ TEM MUITOS PEIXES CHEGANDO À MARGEM PEDINDO SOCORRO”

Anúncios

É falsa a notícia de boi resgatado por militares israelenses em Brumadinho; animais continuam presos

Ao longo do dia, uma imagem circula nas redes que mostra um helicóptero com militares israelenses realizando a operação de resgate de um boi em meio à lama com rejeitos da barragem que se rompeu em Brumadinho, na última sexta-feira (25). A notícia é falsa.

FAKE NEWS: ANIMAIS NÃO FORAM ABATIDOS A TIROS

IMAGENS: PROTESTOS EM SP E NO RIO NOS ENDEREÇOS DA VALE

O animal continua no local sem poder ser resgatado devido às condições precárias da área, mas ativistas que estão na região falam em descaso por parte da Vale, denunciando que a empresa tenta impedir com tapumes e portões fechados nas estradas o acesso dos voluntários para resgatar os animais que ainda estão vivos.

LEIA +: VALE É OBRIGADA A RESGATAR ANIMAIS EM BRUMADINHO

A Vale não se pronunciou sobre o assunto até o momento. A protetora dos animais Luisa Mell passou o dia no local e, sem sucesso, tentou o resgate de um touro que está ilhado na região afetada pelos rejeitos.

CASEIRO ARRISCA VIDA PARA SALVAR GALINHAS NA LAMA

Prometida para os ruralistas, Bolsonaro retira a demarcação de terras indígenas e quilombolas da Funai

Como uma das primeiras medidas tomadas pelo recém-empossado presidente, Jair Bolsonaro (PSL), o Ministério da Agricultura agora é responsável por identificar, delimitar e demarcar terras indígenas e quilombolas, funções que eram atribuídas até então pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A campanha do presidente foi fortemente impulsionada por ruralistas que exigiam “facilidades” no novo governo, que prontamente atendeu aos pedidos, colocando em risco a existência dos órgãos de proteção aos povos históricos. A pasta da Agricultura também recebe o Serviço Florestal Brasileiro, antes vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, que gerenciava a proteção, a ampliação da cobertura florestal e incentivos de práticas sustentáveis nos territórios brasileiros.

A líder ruralista do governo e atual ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), vai comandar um forte processo de desmonte das conquistas de preservação asseguradas nos últimos anos no Brasil.

Brasil ganha ‘prêmio’ crítico na ONU por falas de Bolsonaro em descumprir compromissos ambientais

Na última quarta-feira (5), durante a COP-24 do Clima, conferência da ONU que reúne diversos países que debatem assuntos ambientais, o Brasil recebeu um “prêmio” crítico pelas recentes falas do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em descumprir os acordos climáticos firmados pelo país nos últimos tempos.

Junto com a Arábia Saudita, o Brasil ficou em primeiro lugar na votação que reuniu mais de mil ONGs ambientais e recebeu o “Fóssil do Dia”, uma crítica aos países que estão “travando” ou se posicionando contrários aos acordos ambientais firmados na Cúpula de Paris. Esta é a primeira vez que um presidente recebe o “prêmio” antes de ser empossado em seu país.

Em novembro deste ano, Bolsonaro disse que o Brasil não vai sediar a COP-25, a mais importante conferência do clima no mundo. Durante a campanha eleitoral, o presidente eleito disse que vai retirar o país do Acordo de Paris, assim como fez Donald Trump com os EUA.

Mais de 300 tartarugas ameaçadas de extinção morrem em redes de pesca ilegal no México

Se não bastasse a crueldade habitual que a pesca causa em vidas marinhas, um massacre de centenas de tartarugas ameaçadas de extinção na costa mexicana do Pacífico foi confirmado pelo governo do estado de Oaxaca na última quarta-feira (29).

Segundo balanço divulgado pela Defesa Civil de Oaxaca, 303 exemplares de tartarugas-oliva morreram após se enroscarem em duas redes de pesca ilegal que, ao que tudo indica, foram abandonadas por pescadores que não são da região. Pescadores locais alegam que tentaram desprender os animais, mas não obtiveram sucesso.

De todos os animais encontrados, apenas um estava vivo, mas não resistiu e morreu ao chegar à praia. Ambientalistas afirmam que muitas espécies que não estão na lista de caça dos pescadores acabam presas nas cruéis armadilhas marinhas feitas pelo homem.

Você sabe a quantidade de água usada em um pedaço de carne?

Os números são assustadores e reacendem um debate que a indústria pecuária não quer que você saiba.

As campanhas de preservação da água não falam sobre a utilização deste bem público e finito pela pecuária e os motivos vão te deixar perplexo. (Foto: Stux/Pixabay)

Hoje é celebrado o Dia Mundial da Água, e quando pensamos em uso da água consciente, é muito provável que de imediato lembremos de não usar a mangueira para limpar a calçada ou de escovar os dentes com a torneira fechada. Mas por que não nos lembramos de outros meios em que o recurso hídrico é utilizado e que não estamos acostumamos a enxergar e colocar na conta do nosso consumo?

Segundo a Agência Nacional das Águas, quase 8% da demanda deste recurso natural no Brasil vem da pecuária, e este número representa apenas o que é usado para o chamado “abastecimento animal”. Se somarmos tudo o que é utilizado para a pecuária, desde o uso da irrigação até a limpeza do cadáver animal na hora do abate, o número pode aumentar consideravelmente.

De fato, você sabe a quantidade de água que é usada para a produção de um pedaço de carne? Na ponta do lápis, é preciso colocar tudo o que é usado de recursos naturais na produção, como a água bebida pelo animal, a água gasta no cultivo da alimentação do animal e a água gasta no abate.

Segundo o livro “Carnelatria (Ecôanima, no prelo”, escrito pela professora Sônia T. Felipe, doutora em filosofia moral e orientadora sobre ética animal e ambiental, a indústria alimentícia de exploração animal utiliza números assustadores de uso da água para os produtos de origem animal. Veja abaixo alguns:

  • Carne bovina: 14.451 litros de água por quilo;
  • Queijo: 17.545 litros de água por quilo;
  • Carne suína: 6.814 litros de água por quilo;
  • Leite: 1.913 litros de água por litro;
  • “Frango”: 1.707 litros de água por quilo;
  • Ovo: 163 litros de água por unidade.