A morte do Rio Paraopeba: “Já tem muitos peixes chegando à margem pedindo socorro”

Os povos indígenas que habitam a região do rio Paraopeba, em São Joaquim de Bicas, atingido pelo mar de rejeitos da Vale, estão preocupados com a saúde das águas e lutam por suas terras ameaçadas.

O cacique da reserva indígena Naô Xohâ, Pataxó Hã-Hã-Hãe, denuncia que os animais do rio já estão morrendo pela contaminação de materiais rejeitados da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, após o rompimento da barragem na sexta-feira (25).

Habitantes da aldeia indígena Naô Xohâ observam o Rio Paraopeba, atingido pelos rejeitos da Vale. (Foto: Lucas Hallel)

A aldeia está localizada a 26 Km da barragem que se rompeu e as informações inciais falavam sobre a remoção dos habitantes da aldeia, mas eles insistem em ficar para proteger os animais, o rio e suas terras devastadas.

“A água ontem estava clara, mas hoje está vermelha escura. Já tem um bocado de peixe morto, boiando, com a boca pra fora pedindo socorro”, disse angustiado Pataxó Hã-Hã-Hãe.

Os povos da região são historicamente ameaçados pela indústria da mineração e pelas fazendas de gado. Movimentos sociais, como o MST, que possui um acampamento na região, somam esforços em proteção à aldeia Naô Xahâ.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, disse que amostras foram colhidas em 47 pontos do Rio Paraopeba para atestar a saúde das águas. O resultado deve ser divulgado na próxima quarta-feira (30).

*Fotos cedidas gentilmente por Lucas Hallel, que esteve em São Joaquim de Bicas ao lado dos povos de Naô Xohâ.

Anúncios

Prometida para os ruralistas, Bolsonaro retira a demarcação de terras indígenas e quilombolas da Funai

Como uma das primeiras medidas tomadas pelo recém-empossado presidente, Jair Bolsonaro (PSL), o Ministério da Agricultura agora é responsável por identificar, delimitar e demarcar terras indígenas e quilombolas, funções que eram atribuídas até então pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A campanha do presidente foi fortemente impulsionada por ruralistas que exigiam “facilidades” no novo governo, que prontamente atendeu aos pedidos, colocando em risco a existência dos órgãos de proteção aos povos históricos. A pasta da Agricultura também recebe o Serviço Florestal Brasileiro, antes vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, que gerenciava a proteção, a ampliação da cobertura florestal e incentivos de práticas sustentáveis nos territórios brasileiros.

A líder ruralista do governo e atual ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), vai comandar um forte processo de desmonte das conquistas de preservação asseguradas nos últimos anos no Brasil.